Comunicação

Clubhouse: 5 técnicas para se dar bem na nova rede social

Anderson Carvalho
Escrito por Anderson Carvalho em 12/02/2021
Clubhouse: 5 técnicas para se dar bem na nova rede social

Clubhouse, essa semana deparei com esse nome. Disseram ser uma nova rede social que só entrava por convite. Na hora me lembrei do icônico Orkut, que nos primórdios, você só entrava se fosse convidado. Algo que desse um tom de exclusividade

Após o sucesso dos podcasts, surge uma rede social de voz que promete ser a próxima meca do networking.

Nesse post, quero dar a você, dicas de como se sair bem enquanto se comunica com as pessoas que estão fazendo uso de App.

Clubhouse, e a linguagem corporal, como fica?

Apesar de não ser possível utilizar a linguagem corporal e analisar expressões faciais, é possível fazer alguns reconhecimentos por meio da voz.

Sabe aquela velha história que a voz representa apenas 7% da comunicação?

Aqui eu vou provar que não é bem assim, principalmente quando você tem apenas ela.

Não use mini saia e decote no velório

Antes de você se propor a falar algo, primeiro observe a proposta da sala e observe o comportamento dos participantes.

Parece óbvio, mas é que ao fazer o uso da rede social, eu vi pessoas pedindo para não fazer pitch de vendas, mas fazer apresentações, e tinha gente insistindo em fazer pitches.

Essa é uma dica do tipo: Não use mini saia e decote no velório, e a pessoa mesmo sabendo da ‘regra’, ainda faz questão de fazer o oposto ao pedido.

Primeiro você entende o propósito da sala, depois observa o que os participantes estão fazendo, para depois agir.

Se a intenção é ser disruptivo, tenha cuidado para não parecer sem noção.

Escolha um ambiente correto

Em outro post, logo no início da pandemia, eu dei dicas de como explorar melhor suas reuniões online. Falei dos cuidados com o ambiente em que se encontra.

Veja o post completo aqui

Aqui eu digo o mesmo, escolha um ambiente que proporcione a quem irá te ouvir, compreensão clara do que você está falando.

Eu entendo que mesmo fazendo uso de Home Office, isso se torna desafiador, pois é vizinho que liga o rádio alto, é o cachorro latindo para estranhos, é a galinha que resolve cantar no quintal (sério, eu moro em um dos bairros nobres de Fortaleza e tem vizinhos que tem galinhas e cabras).

Eu entendo perfeitamente que algumas coisas saem do controle, mas entenda: Clubhouse não é disk amizade igual aqueles da década de 90, que eram promovidos nas TVs.

Apesar de parecer semelhante, a proposta dele é aproximar pessoas que tenham ideias parecidas, e se você é do tipo que está em busca de melhorar seu networking, então sugiro que verifique os barulhos que possam ter à sua volta.

Lembre-se: bom senso prevalece, mesmo se o seu som não for dos melhores.

Entenda o TIME ideal no Clubhouse

Em uma interação, o ‘time’ certo faz uma diferença avassaladora. No Clubhouse você verá na prática o quanto essa regra é importante.

Você não vê as pessoas, apenas ouve, entender o timer correto das interações que acontecem dentro das salas, dará a você a condição de ser visto pelos participantes como a pessoa que fala no momento certo.

Para isso, três coisas são importantes:

  • Interpretar a fala de outro participante, corretamente
  • Saber lidar com as interrupções dos outros participantes
  • Estar disposto a ouvir contrapontos, ainda que não sejam convincentes

Interpretar a fala do outro participante corretamente, é um desafio. Se em uma interação ao vivo e a cores, no presencial, informações mal ditas já levam à incompreensão, imagina durante uma interação onde você não vê a face das pessoas?

É natural que o risco de ser mal interpretado e interpretar erroneamente uma pessoa, ainda mais se não há conhecimento, se torna grande.

Por isso, ao invés de afirmar, concordar ou discordar, pergunte: Desculpe, eu não compreendi sua fala, poderia me dar um exemplo?

Esse tipo de atitude diminuirá as chances de atrito.

Se tratando de saber lidar com as interrupções, é algo que, não é porque você sabe o timer correto que os outros também saibam. E isso não quer dizer que você deva se chatear ou permitir que atitudes assim estraguem sua participação.

Sim, no Clubhouse também tem pessoas sem noção, que atropelam, só elas falam, se acham os reis do camarote.

Então tenha em mente que quando isso acontecer, encontre alternativas inteligentes para sair desse tipo de situação.

Ouvir alguém discordando de algo que acreditamos, é provocante. Mas você não pode controlar e nem querer que todos, apesar de terem o mesmo interesse em comum, concordem 100% das vezes com você.

Contrapontos trazem nova perspectiva, mesmo que você não concorde com elas, respeitar a opinião dos outros é sinal de civilidade.

Use todos os recursos vocais que puder a seu favor

Sua voz é maravilhosa, entenda que isso não tem nada a ver com voz de locutor, mas em saber usar todo potencial dela a seu favor.

Existem 3 elementos na voz, que você pode e deve explorar:

Pitch Vocal, timbre e volume.

Pitch vocal está ligado a velocidade com que você fala. Haverão momentos que você precisará falar de forma mais rápida, mas sem atropelar as palavras.

Essa velocidade, quando o argumento é bem construído, passa a sensação de segurança e domínio de conhecimento.

Já o timbre vocal, está ligado a imposição da sua voz. Dê destaque em pontos importantes, pontos que merecem destaques. Lembre da caneta marca textos. Você usa para sublinhar algo que quer ser lembrado posteriormente. Então, use um marca texto verbal para fazer com que, quem está do outro lado, lembre que aquele ponto é importante.

O volume tem relação com a altura que você fala, baixo ou alto. O importante é você calibrar. Algumas pessoas, por naturalidade, tem voz fina e falam alto, por outro lado, outras tem voz baixa e mais grossa.

Em ambos os casos, quando usados de forma errada, podem parecer desinteressados ou autoritários enquanto falam, portanto, encontre o seu ponto ideal.

Bônus

E se me permite dar uma sugestão nada técnica, mas que vai te ajudar muito dentro do Clubhouse: use além dessas 5 técnicas algo que você tem de sobra: Conhecimento.

Troque conhecimento. Não seja aquela pessoa que só fala ou só ouve.

Toda interação importa e é válida.

Se interesse pelas histórias, da mesma forma que você quer que se interessem pela sua.

E se você estiver já no Clubhouse e quiser me seguir, apesar de usar muito pouco, será bem-vindo. Basta procurar por @falasherlock.

Espero que tenha gostado.

Olá, Sherlock,

o que você achou deste conteúdo? Comente aqui!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *