Gestos

Gestos – Comunicação Para Políticos

Não só de promessas vive um político, mas de uma boa comunicação capaz de convencer o eleitor de lhe confiar seu voto. Comunicação que vai além das palavras, falo sobre Linguagem Corporal, mais precisamente sobre gestos, aqui nesse artigo.

Estamos caminhando para as eleições de 2018. Candidatos aos cargos de: Deputados, governadores, senadores e presidentes já se preparam para disputar essa que promete ser a eleição mais acirrada de todos os tempos.

Muitas pessoas nos perguntam o que significam alguns gestos que os políticos fazem? Bem, pensando nisso, resolvi criar aqui uma série de postagens dedicadas à comunicação para políticos.

Temos um Livro Digital que ensina como ser mais influente utilizando Linguagem Corporal

Para não ficar confuso de entender, pois Linguagem Corporal é algo muito mais amplo do que aquilo que está escrito nos livros e ensinado em cursos, resolvi dividir essa série em partes. Nessa primeira, irei falar sobre as variações, sobre os famosos gestos chamados Hand Steeple ou campanário ou gesto de cúpula, que é dito aqui no Brasil por alguns especialistas.

Por que preciso prestar atenção nos gestos?

Existem pesquisas científicas que mostram que há mais conexões nervosas entre cérebro e mãos do que em qualquer outra parte do corpo. Pra se ter ideia mais prática do que estou falando, quando ficamos nervosos, tendemos a tremer as mãos, quando estamos com medo nossas mãos suam, quando estamos ansiosos buscamos estalar os dedos afim de aliviar a pressão.

O que é Hand Steeple

Hand Steeple é o famoso gesto para definir poder em apenas uma postura com as mãos. É um gesto muito popular em filmes de artes marciais, como também em filmes de mafiosos para sinalizar quem é a pessoa que tem o poder.

Por que o político precisa utilizar esses gestos

Político é líder e todo líder precisa transmitir uma primeira boa impressão ao seu liderado. A chance dele confiar em você está nos primeiros 7 segundos. Seu cérebro verá se essa pessoa é ou não confiável. O líder precisa aproveitar cada milésimo de segundo para transmitir uma imagem de: poder, carisma e confiança para seu eleitorado.

Gestos como Hand Steeple transmitem essa imagem para as pessoas que o veem comunicando.

Quantos Hand Steeple existem

Existem diversas variações. Nesse artigo iremos focar nos sete mais importantes e comuns de serem identificados.

Esses sete gestos podem representar poder ou submissão. É por esse motivo que você precisa saber diferenciá-los, pois a chance de saber qual sentimento há na outra pessoa, aumenta consideravelmente.

Poder – Não mexa comigo

Esse gesto é a melhor definição de poder e confiança que se pode ter através de um gesto das mãos.

Ele fica na direção da cabeça, pontas dos dedos unidas e os centros das mãos afastados. É chamado como cúpula do poder, por se parecer com uma cúpula.

Cúpula do Poder

Poder – Disposto a se envolver

É similar ao gesto anterior, porém ele fica direcionado para o público. Funciona como uma seta indicando: eu estou permitindo que você fale. Ainda assim é um gesto dominante.

Gestos

Gestos dominantes merecem cautela ao serem utilizados de maneira consciente, pois podem sugerir arrogância.

Poder – Disposto a ouvir

Ainda seguindo as mesmas características que os dois anteriores, é um gesto de poder, indica que está disposto a ouvir. A diferença entre o anterior é que a intenção assinalada nesse gesto é de que ele ouve enquanto o outro fala, já o anterior, ele ordena a pessoa falar.

Hand Steeple

Pensativo – Estou pensando sobre o que está sendo dito

Esse é um gesto reflexivo, sua intenção não é demonstrar poder, mas que aquilo que está sendo dito é algo a ser analisado com mais profundidade.

Perceba que existem semelhanças físicas entre esses quatro primeiros gestos. O que muda é a direção para onde eles apontam.

Hand Steeple

Indeciso

Quando uma pessoa não tem tanta certeza sobre o que ela está dizendo, esse é um dos gestos mais comuns feito com as mãos. Ela une apenas as pontas dos dedos e deixa um espaço distante entre as palmas.

Hand Steeple

Desconforto

Hand Steeple

Aqui já entramos na zona de perigo. Gestos que podem revelar estresse e ansiedade sempre merecem uma observação mais cautelosa. Podem indicar medo de ser descoberto em uma mentira ou apenas mostrar que uma pessoa está tensa aguardando um resultado.

Submissão

Mãos abaixo da linha da cintura e viradas para baixo tem o significado de submissão. Seja com os dedos entrelaçados ou soltos, o sentimento por detrás desse tipo de gesto está ligado à situações ou uma parte do assunto que é difícil para a pessoa lidar.

William Waack

Lembre-se, gestos por si só ao serem analisados não podem ser considerados como decisivos, já que você precisa saber o que está sendo dito, para ver se aquele comportamento se encaixa dentro do discurso.

Comunicação

Sim! Sua Comunicação pode ser Ruim

“Meniiiiiiiiiiiino, eu já falei mais de 1000 vezes para você não fazer isso. Será que estou falando grego? Parece surdo? Você só pode estar testando minha paciência. O que eu fiz para merecer isso?”

Não é nada disso, sua comunicação pode ser ruim mesmo!

Você acha que estou falando que língua?

Bem, você se identificou nesse primeiro parágrafo com alguma dessas situações, seja em casa ou no trabalho? Então, esse post é para você.

Mas já adiantando, talvez o problema não seja a outra pessoa, digo talvez, pelo fato de não poder afirmar que ela tenha alguma limitação que dificulta sua compreensão. E mesmo que tivesse, você vai entender nesse post que comunicação não é o que você diz, é o que a outra pessoa entende.

Leia: Como influenciar pessoas em um mundo contemporâneo

Compreensão para exercer a comunicação

Nossa comunicação é formada pelas nossas crenças, cultura, experiências vivenciadas em casa, trabalho, escola, na comunidade em que vivemos. Cada pessoa é criada sobre “regras”, “leis”, “dogmas” que irão carregar pelo resto da vida em sua mochila da experiência de vida, formando seus valores e princípios.

Leia: Como uma boa comunicação pode influenciar sua carreira

Uma simples palavra pode trazer entendimentos completamente diferentes. Por exemplo: Você disse que me amava? Sim, eu disse, mas meu entendimento de amor não é o mesmo que o seu. Ou então, você disse para fazer “tudo” que fosse possível para ter “sucesso”, e eu fiz. Mas esse “tudo” não precisa estar envolvido em contravenção penal, muito menos prejudicar outras pessoas para que o “tudo” prevaleça para mim.

O papel da neurobiologia

O órgão que mais consome energia do nosso organismo é o cérebro. Quando falta oxigênio, sua capacidade de raciocínio e criatividade fica comprometida.

Se estou empenhado em convencer um japonês de que meu produto é bom, e tudo que sei falar é mandarim, certamente ser parecido não é o mesmo que ser igual. Portanto, vou gastar energia falando, explicando, e não irá adiantar absolutamente nada. Ambos iremos ficar cansados e não chegaremos a um acordo por ninguém conseguir entender o que a outra pessoa está falando.

Quando chegamos ao ponto de não ter compreensão e clareza pelo assunto o qual está sendo tratado, nosso cérebro primitivo entra em ação, buscando se proteger. Isso acontece quando não conseguimos compreender o que o professor está dizendo ou quando nosso chefe está falando sobre as novas estratégias da empresa.

Em um estado mental sobrecarregado, qualquer mensagem será impossível de ser compreendida, muito menos aproveitada. Portanto, esteja atento à essas quatro dicas!

4 passos para ser compreendido

Temos um “problema”, temos o conhecimento desse “problema”, agora vamos para sua solução.

1 – Faça perguntas

Imagina você ir ao oftalmologista e ele receitar o melhor óculos  que existe, mas sem antes fazer exames para saber quais lentes você precisa?

Para não correr o risco de ter que explicar tudo novamente após ter terminado, faça perguntas. Se uma pessoa está te ouvindo e ela tem mais dúvidas após sua explicação do que antes, é sinal que você não conseguiu esclarecer.

Faça com que a pessoa para quem você está comunicando, se envolva, participe do assunto. Diálogos são mais interessantes que monólogos.

Faça perguntas se utilizando de palavras como: Está claro para você? Alguma coisa que disse ficou dissonante? Percebe a relevância do que disse?

“Está claro” sugere que a pessoa é visual, caso ela seja, isso fará com que ela “veja” sua explanação. Dissonância refere-se a tonalidade, no caso ela pode ser mais auditiva. Já o fato de perceber, fará com que ela associe isso a alto tátil, como se estivesse pegando a informação.

Leia: Método Rapport – Como Acionar o Botão de Compras do Seu Cliente

Identificar essas características da recepção do interlocutor é fundamental para que sua comunicação seja bem recebida e compreendida.

2 – Nem rápido, nem devagar, pondere!

Não adianta ser assertivo e ir direto ao ponto. Mas também não adiantará de nada ilustrar demais. Você precisa sempre encontrar o meio termo. Algumas pessoas requerem mais informações, pedem detalhes, faz parte do tipo de perfil dela. Gostam das nuances, tomam decisões com base em comparações. Ser prolixo para essas pessoas é algo natural, já que elas também são assim. Mas tem aqueles que não querem detalhes, querem saber como você vai resolver seu problema e ponto final.

Se você der explicações demasiadamente para uma pessoa mais assertiva, ela vai achar que você está justificando. Na compreensão dela, vai pensar que você está é tentando enrolar e não sabe de nada daquilo que se propôs a fazer. Em contrapartida, se você for assertivo para uma pessoa que gosta de detalhes, ela vai te definir como grosseiro.

Como saber qual comunicação emprega melhor nessa pessoa? Pergunte a ela se você saltou algum ponto ou quer que vá mais adiante. Se ela manifestar apenas dúvida através do olhar, você saberá o que precisa ser feito.

3 – Simplifique

Simplificar não necessariamente é desconsiderar, mas sim considerar aquilo que é útil para quem está te ouvindo. Claro, precisamos lembrar que se você está vendendo um produto com cláusulas complicadas e chatas, você precisará falar delas, mas não é necessário complicar ainda mais o que elas já fazem por si só.

Mostrar que sabe palavras bonitas e difíceis podem confundir a pessoa com quem você está tentando estabelecer uma comunicação. Lembre-se dos votos do STJ e STF em tempos de Lava Jato. Muitas pessoas acompanhando aquilo como fosse um jogo do Brasil em época de Copa do Mundo e tudo que se via era um juridiquês e explanações cansativas e entediantes.

Tem que usar termos técnicos? Use, mas mostre como ele faz toda diferença. Teoria só tem utilidade se puder ser associada à uma prática, pois caso contrário, corre o risco de ser belo, mas não ter muita utilidade.

Não omita informações que sejam importantes. Elas podem ser decisivas para seu fechamento.

4 –  Expresse e Envolva

O que pode ser pior: Não saber se uma pessoa está gostando daquilo que você está falando ou não saber se expressar de acordo com sua fala?

A primeira situação é angustiante, já a segunda, é preocupante!

Considerando que cada um tem uma maneira de agir, a primeira é natural, pois não depende apenas de você, mas das características das outras pessoas. Ser envolvente ao comunicar, é indispensável e se você não está fazendo isso, então esteja alerta!

A pessoa para quem você está falando, precisa olhar para você e dizer: Ele (a) realmente é bom e entende tudo sobre o que está dizendo. Posso confiar!

Não confunda inexpressividade com ser misterioso. Aliás, pessoas misteriosas dentro do bom senso, instigam os outros a se interessarem pelo que está sendo abordado. Quando o mistério é exagerado, torna-se sensacionalista. Lembra do João Kleber com seus suspenses?: Você não vai acreditar no que vai acontecer! Você não faz ideia! E no final das contas, nada de interessante acontecia.

Utilize sua voz e a Linguagem Corporal para fazer com que sua informação seja bem recebida e compreendida pelo interlocutor.

Um profissional em dúvida quanto ao que está sendo tratado, deixando transparecer através da voz trêmula e baixa, e com uma Linguagem Corporal submissa, não irá conseguir convencer ninguém de que aquilo que está sendo dito, realmente é importante e deve ser considerado pela outra parte.

Gestos que ilustram uma conversa contribuem para que a outra pessoa visualize a informação. O cérebro agradece muito os atalhos os quais você pode dar a ele.

Palavras adequadas e tonalidade vocal alinhada, fará com que haja mais congruência e dinâmica entre sua comunicação e mais proveitosa para seu interlocutor.

Lembra do oxigênio? Pois é, se você colocar em prática esses 4 simples passos, você vai estar consumindo menos o seu e do seu interlocutor.

Comunicação

Quem não se comunica, se trumbica.

Como é sua comunicação? Já se deu conta de que você pode estar falando uma coisa e a outra pessoa não estar entendo absolutamente nada?!

Já dizia o saudoso Chacrinha, “Quem não se comunica, se trumbica.”

Quantas vezes fala-se uma coisa e entende-se outra ou as vezes você acha que deu um show na explicação e tudo que conseguiu foi confundir ainda mais seu interlocutor.

7 características que mostram que você precisa melhorar sua comunicação

Você precisa ler esse artigo: Você acha que convence?

1 – Ter que explicar mais de uma vez

Se a pessoa que está te ouvindo tem mais dúvidas sobre o que você disse do que esclarecimento, então é um sinal de que você não sabe explicar sobre aquilo proposto.

2 – Seus diálogos se parecem mais com monólogos.

Somente você fala e não gera perguntas? Cuidado! Se a pessoa para qual você está falando nem se dá ao trabalho de fazer uma pergunta que seja durante sua explanação (a menos que tenha sido acordado antes da apresentação), é um sinal de que você está em um monólogo.

3 – Demora pra chegar no objetivo:

Ilustra em exagero o que está sendo tratado. Fala da etimologia, dos termos aplicados, parecem intermináveis suas explicações. Isso é sinal de prolixidade. Pessoas que para chegar à uma simples conclusão, contam histórias e estórias, acabam complicando aquilo que era pra ser simplificado.

4 – Justifica demasiadamente suas decisões

Se você acompanha os julgamentos do STF, STJ, então já presenciou aquelas justificativas que parecem intermináveis. Dentro do ambiente jurídico, aquilo já é chato de ser ouvido, imagina dentro do seu trabalho, que canseira deve dar em quem te houve?

5 – Termos complicados

Você precisa falar a língua que a pessoa entenda. Não adianta querer gastar todo seu latim nem o seu “juridiquês” sendo que ele entende apenas um simples português.Uma das maiores perdas de tempo é querer utilizar termos complicados e técnicos achando que isso irá valorizar sua comunicação. As chances da pessoa ficar ainda mais confusa se deve ou não te contratar, aumentam.

6 – Uma nota só

Sabe aquelas pessoas que você olha pra ela e não sabe se estão sorrindo ou se estão tristes? Pois é, imagina uma pessoa que fala e você não consegue perceber a emoção que ela diz ter, pelo que faz, quando a houve. Tom monocórdio entendia qualquer comunicação. Quem houve fica entediado por perceber que quem fala não tem tanta empolgação pelo assunto.

7 – Inexpressividade

Assim como um tom monocórdio na fala é um tédio, olhar para uma pessoa que não demonstra na face e nem nos gestos sua empolgação pelo assunto tratado, é cansativo. Linguagem Corporal é fundamental para que sua comunicação seja transmitida com excelência. É através dela que a pessoa percebe se você passa ou não confiança sobre o assunto que está sendo tratado.

Você precisa ser esse Livro Digital 

Linguagem Corporal

Linguagem Corporal e a Comunicação de Whindersson

Linguagem Corporal, seria esse o segredo da comunicação Whindersson Nunes? Do anonimato à estrela de maior brilho no Youtube no Brasil.

Mas o que podemos aprender com a maneira de comunicar de  Whindersson Nunes?

Mesmo que você não seja fã, certamente já ouviu em algum momento seu nome sendo pronunciado por alguém.

Seja nas redes sociais onde sua presença se tornou “onipresente” ou nos comerciais de TV, teatros e até mesmo no exterior, Whindersson Nunes é o Neymar do Youtube. Quando abre sua boca, goste você ou não do que ele tem a dizer, é como um caça níquel, moedas caem para as empresas que o contratam.

Mas quais as principais características envolvidas em sua comunicação?

Linguagem Corporal

Sua Linguagem Corporal é perfeita para o tipo de personagem caricato que Whindersson representa. Os gestos, postura, maneira de andar e os trejeitos empregados, valorizam ainda mais a mensagem como também o faz ser percebido como referência que é.

O que faz Whindersson ser hoje de longe o Youtuber de maior sucesso no Brasil, atingindo diretamente 10% da população brasileira, são as junções desses elementos preciosos.

Mas nem sempre foi assim…

… o desenvolvimento que levou a aprimorar suas técnicas foi árduo. Em seu primeiro vídeo para o Youtube, é possível perceber que mesmo o que vemos hoje, é uma versão aprimorada do que ele foi lá atrás quando começou.

Perceba que a comunicação dele é similar a do início, com um grande diferencial: Linguagem Corporal.

Temos um artigo onde falamos sobre a utilização de gestos nas apresentações

Antigamente ele queria passar sua ideia, focava na voz e nas edições de vídeo. Certamente ele não sabia que se fizesse o uso adequado da Linguagem Corporal, seus vídeos ganhariam mais expressão, e foi o que aconteceu.

Conteúdo Prático

Não adianta ter um bom conteúdo se não souber passar. Whindersson é mestre em simplificar a informação. Mesmo que seja uma mensagem complicada, ou conteúdo fictício, ele consegue conectá-la ao seu público de maneira simplificada e fácil de ser compreendida.

Sua naturalidade ao falar, torna um assunto grave em cômico sem diminuir sua importância, é uma das principais habilidades que merece destaque.

Histórias ou estórias, ele retém audiência

Ele vai direto ao ponto logo no início do vídeo, diz sobre o que vai falar, torna o personagem principal e valoriza cada parte das histórias em sua narrativa.

Podemos considerar Whindersson como um bom storyteller, pelo fato de conseguir envolver sua audiência com suas peripécias, os números provam o quão eficiente é sua popularidade.

Mesmo que você não seja um seguidor ou nem admire seu trabalho, Whindersson pode te ensinar a contar histórias de maneira humanizada.

Empatia com seu público

Uma das maiores características que ele possui e sabe fazer seu uso mesmo com todos os exageros, é a maneira como ele se coloca no lugar do outro ao expor uma situação.

Ele fala de um problema que todos nós passamos em algum momento, se insere no problema, ilustra esse problema verbalmente e o dramatiza com sua Linguagem Corporal, e mostra variáveis para sua solução.

Carisma

Carisma não tem nada a ver com simpatia, mas com a maneira de envolver com as pessoas. Whindersson  fala de igual para igual sem se colocar em posição superior a quem o assiste.

Duas características relacionadas ao tipo de carisma, também chamam muito atenção. O carisma da presença e da comunicação efetiva.

  • Carisma da presença se dá ao fato de fazer o bom uso da sua imagem mesmo que seja cômica. Demonstra irreverência e assume esse papel. Sua Linguagem Corporal demonstra autoridade no que faz de melhor. Ao contrário de outros personagens que parecem “vestir” uma fantasia de humorista, Whindersson faz isso sem precisar desse artifício.
  • Carisma da comunicação efetiva se trata da maneira pela qual cria seus diálogos com seus monólogos. Ele consegue emendar um assunto no outro fazendo fluir de maneira natural. É por esse motivo que em seus vídeos possuem cortes brutos nos trechos. Essa é uma técnica de passar o conteúdo de maneira constante, utilizada por profissionais de vídeo.

Posso me tornar o próximo Whindersson?

Bem, quanto a isso eu não posso garantir absolutamente nada. Na realidade, assim como a 1ª Sônia, o 1º Felipe Neto, a 1ª Kéfera Buchmann dentre tantos outros, você precisa ser o 1º quem você realmente é.

Originalidade é elemento escasso em terra onde CTRL C e CTRL V reina. Mas é tão difícil ser original! Concordo plenamente, mas é por isso que esses Youtubers, assim como o próprio Whindersson, se tornaram referências, por serem originais.

Cada um comunica de forma que a informação e o conteúdo se assemelham melhor com o perfil ou personagem representado.

Vale copiar de outros? Claro, desde que você ainda pegue pontos que assemelham ao seu perfil, entretanto, pra que um segundo Whindersson? Não existem dois Tiriricas, nem dois Tirulipas, nem dois Falcão.

Ser um Youtuber de sucesso é tão fácil quanto escrever um livro. Primeiro você precisa começar, depois completar com ideias. Sim, fui irônico, eu sei.

Mulheres Poderosas

Mulheres Poderosas e a Comunicação Influente

Mulheres Poderosas, o que elas tem em comum umas com as outras? O que as torna tão diferentes a ponto de serem escolhidas dentre muitas, para rankear a lista das mulheres mais poderosas do Brasil?

As Mulheres Poderosas segundo a Forbes

Recentemente em outra publicação aqui em nosso blog, mostramos algumas das principais características relacionadas à comunicação das mulheres mais poderosas do mundo.

Leia o artigo que falamos sobre a comunicação das mulheres mais poderosas do planeta

Por incrível que pareça, a lista das 27 mulheres poderosas do mundo segundo a revista Forbes, nenhuma brasileira fazia parte do ranking.

Nessa semana, a Forbes lançou a versão onde ranqueia as 40 mulheres poderosas do Brasil. Escolhemos seis delas e escrevemos esse artigo, sobre suas principais características de comunicação e influência.

Quem são as poderosas desse artigo

Nossa escolha não foi pela quantidade de fortuna acumulada ou cargo que ocupam, mas sobre a maneira como comunicam e influenciam pessoas.

Escolhemos apenas seis para poder compartilhar as observações que fizemos acerca da comunicação, e não quer dizer que são as melhores ou piores, mas que elas possuem atributos que são muito importantes para pessoas que desejam ser notadas como referência em suas áreas.

Por mais que todas sejam pessoas públicas, elas são empreendedoras e não necessariamente palestrantes. Portanto, não faremos críticas, apenas observaremos a maneira como cada uma delas comunica e pontuaremos com nossas observações.

As nossas seis escolhidas para compor esse artigo são:

  • Chieko Aoki – Fundadora e CEO da Blue Tree Hotels
  • Cristina Junqueira – Cofundadora do Nubank
  • Luiza Helena Trajano – Presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza
  • Rachel Maia – CEO da Pandora no Brasil
  • Flávia Bittencourt – Diretora-geral da Sephora Brasil
  • Donata Meirelles – Diretora de estilo da Vogue Brasil

Chieko Aoki

A empresária nipo-brasileira passou por altos cargos em algumas das maiores redes hoteleiras do mundo antes de fundar, em 1997, a Blue Tree Hotels.

Os orientais possuem uma forma de comunicar bem diferente dos ocidentais. Eles são discretos, não deixam suas emoções transparecer ao público, o que não quer dizer que não estejam gostando, apenas a maneira a qual eles se relacionam, é mais contida do que outros.

Chieko Aoki consegue gravitar com maestria entre a sutileza oriental e paixão ocidental.

Aoki não é palestrante, é uma empresária. Mesmo não tendo uma desenvoltura e aberturas em suas palestras, ela consegue empregar de maneira assertiva e pontual cada palavra da mensagem que está sendo dita.

Possui poucos vícios de elisão vocal e consegue expressar em palavras, seu raciocínio e seus gestos.

Nesse vídeo, podemos observar que faz boa utilização do palco, olhando para a plateia que está sentada em diversos locais do auditório.

Outro ponto interessante está nos gestos, mesmo “engessada” por ter de manusear o microfone e o passador de slides, ela atribui gestos que valorizam sua mensagem.

Cristina Junqueira

Cristina Junqueira, faz jus a comunicação da empresa na qual é cofundadora, a Nubank. Se você ainda não conhece o estilo da empresa, entenderá melhor após assistir sua palestra.

Cristina tem tonalidade vocal mais acentuada, o que transmite a quem ouve suas palavras, segurança e poder.

Apesar de não ter presença de palco, não ter muita habilidade na comunicação não verbal e não aproveitar os espaços para conectar com o público em suas apresentações, ela canaliza energia na parte verbal.

É desinibida ao falar e sabe utilizar e fazer as colocações de cada palavra, sem cometer graves erros de oratória como elisão vocal. Entretanto, o uso do “” torna-se excessivo e desnecessário.

Uma das coisas bacanas de ver Cristina Junqueira comunicando, é que ela consegue falar em uma linguagem que se assemelha à comunicação espontânea da empresa na qual é proprietária.

Luiza Helena Trajano

Talvez a mais conhecida dentre todas as mulheres poderosas do Brasil, a dona da rede de lojas que leva seu nome, Magazine Luiza, possui uma comunicação simples e didática.

Percebe-se que ela tem um perfil pragmático, caracterizado pelo estilo de roupa que veste, a maneira como gesticula e o jeito como faz suas colocações. Isso mostra que Luiza é uma mulher prática e objetiva. Não é a toa que chegou onde todos sabem.

Ela faz o uso de gestos ilustradores para enfatizar sua fala, nos pontos onde ela acredita que merecem destaque.

Perceba que ao falar: “uma empresa do interior que abre as cinco horas pra começar a trabalhar.” Ela faz junções de ilustrações com os dedos das mãos passando do um para o cinco.

Outro ponto interessante é o fato dela empregar energia nas palavras e valorizar em sua Linguagem Corporal.

Ao falar; “não vai dar certo”, ela faz uso da mão para a plateia ilustrando uma barreira, e em seguida demonstra o “deixo pra lá” com um gesto na altura da cabeça.

Apesar de Luiza não utilizar o palco a seu favor, sua comunicação transmite energia e confiança.

Rachel Maia

A CEO da Pandora Joias, Rachel Maia, é o perfil mais próximo da típica mulher brasileira. Negra, forte presença, determinada e batalhadora.

Ao olhar para Rachel Maia, vejo uma mulher com um potencial de comunicação na mesma proporção de uma empresária de sucesso que é.

Rachel tem presença, tem postura, representa o sonho da maioria das brasileiras. Trabalha diretamente com a auto estima feminina. Estudou em escola pública, fez técnico em contabilidade.

Ela tem conteúdo de sobra pra ser transmitido, sabe fazer o uso adequado das palavras e sua modulação vocal contribui para que a energia seja projetada de forma coerente com o emprego correto das palavras, sem deixar os vícios de linguagem interferirem na comunicação.

Sua comunicação na Linguagem Corporal fica a desejar, ela possui alguns equívocos, o que não é grave, mas se fizesse seu uso de maneira adequada, certamente ela seria “A Mulher Que Toda Brasileira Sonha Ser.”

Flávia Bittencourt

Flávia Bittencourt possui uma comunicação perfeita para seu perfil, prática, influente e poderosa.

Ao falar de modulação vocal, elisão vocal e demais atributos da comunicação oral, Flávia se expressa muitíssimo bem.

Sabe utilizar as palavras em todas suas totalidades, passando por cada letra sem engolir ou fazer junções.

Percebe-se que os excessos acontecem apenas nas palavras onde tem S que soa como X, ou ao terminar as palavras abertas que finalizam com É. Mas essa é uma característica nata do carioca.

Utiliza bem as mãos para ilustrar e demonstra autoridade, fazendo a junção ideal entre palavra e gestos.

Mesmo estando sentada, percebe-se que é uma mulher que faz jus a marca na qual representa, por portar-se com elegância em sua comunicação.

O uso do perfil pragmático e influente sobre uma marca francesa foi bem empregado com as características Flávia Bittencourt .

Donata Meirelles

Diretora de estilo Vogue Brasil, Donata Meirelles, dona de um perfil analítico, detalhista, gosta de tudo nos mínimos detalhes, possui uma variação do comportamento predominante para o influente.

Uma mulher de estatura maior que as outras citadas aqui nesse post. Possui abertura maior na hora de gesticular. Um dos principais erros que vejo em modelos ou ex modelos ao comunicarem, é o uso carregado dos ombros ao gesticular os braços.

Talvez pelo biotipo, o ombro acaba evidenciando mais os movimentos e chamando mais atenção do que as mãos e os braços.

Modelos tem uma vantagem muito grande se tratando do uso da Linguagem Corporal, pois conseguem com poucos gestos, alinhar o conteúdo falado com o que não é dito.

Se tratando da oratória, ela deixa a desejar, principalmente pelo fato de parecer estar fazendo esforço para pronunciar as palavras. Também, ela intensifica palavras onde há vogais, por exemplo: supersticiOOOsa, religiOOOsa, olho grEEEgo.

Observações

Em nenhum momento tivemos a intenção de desqualificar nenhuma das mulheres que aqui mencionamos. Fizemos análises subjetivas em cima da comunicação de algumas das personalidades que hoje encabeçam a lista das mulheres mais poderosas do Brasil, segundo a revista Forbes.

 

 

Melhor Orador do Mundo

As técnicas poderosas do melhor orador do mundo

Todos os anos a Toastmaster International realiza conferências para eleger o melhor orador do mundo. Nesse ano, a disputa pelo título de melhor orador durou seis meses e teve mais de 30 mil pessoas disputando o tão sonhado título.

Dentre os critérios utilizados para o julgamento, estão:

  • estrutura do roteiro utilizado;
  • tema;
  • utilização adequada da entonação vocal;
  • utilização das palavras que mais se adequam;
  • utilização da Linguagem Corporal;
  • presença de palco
  • desenvoltura na comunicação

O melhor orador do mundo

No dia 26 de agosto, Manoj Vasudevan, um empresário indiano, consultor de gestão que reside em Singapura, foi eleito o melhor orador do mundo. Com o tema Pull Less, Bend More (em tradução livre, “puxe menos, empurre mais”)

Mesmo o vídeo original estando em inglês, e caso você não entenda o idioma, não se preocupe, veja a desenvoltura de Manoj Vasudevan no palco. Desde as pausas até sua performance, a maneira como ele fala e se posiciona diante do público.

Assista ao vídeo na íntegra

Ele imediatamente desarma o público

Manoj Vasudevan equilibrou seu discurso com humor e sinceridade o tempo todo. Ele sorri deliberadamente por 11″ segundos antes de começar a falar, e olha atentamente para a plateia. Essa técnica é uma maneira de demonstrar que é confiante e, um meio de criar empatia com as pessoas que o assistem.

Mensagem simples, clara e consistente

Ao iniciar sua fala, ele demonstra que seu roteiro foi elaborado mostrando um problema e a solução. Ele conta para o público sobre uma história que aprendeu com seu casamento.

Em seu discurso, ele demonstra abertamente para o público, deixando que suas “fraquezas” sejam expostas, que tinha uma auto imagem errada a seu respeito, achando que era perfeito.

Temos um artigo onde mostramos como você pode fazer apresentações impactantes

Vasudevan conta que foi falar com sua mãe e ela assegurou que esse problema era algo que os dois sofriam e que precisavam encontrar um ponto de flexibilidade, se quisessem continuar juntos.

Durante seu discurso utilizou metáforas para ilustrar a mensagem. Colocou sua mãe como um cupido na relação desgastante que tinha com sua esposa, mostrando o quão importante foi seu conselho.

Ele fala para uma pessoa e não para uma multidão

Vasudevan disse que durante seu discurso, busca conectar visualmente com uma pessoa de maneira aleatória, para que crie mais proximidade e se torne mais pessoal sua mensagem.

“estou olhando para alguém e conversando com ele. É uma grande audiência, mas continuo escolhendo uma pessoa aleatória que está interessada em me ouvir e eu olho para a pessoa”.

Ser o mais próximo possível do público, tratando o conteúdo como fosse para um e não para todos. Dessa maneira, quem ouve a mensagem tem maiores chances de se identificar com ela.

A Linguagem Corporal

Com uma performance corporal leve quando precisou ser leve, e dramatizada quando era necessário, Manoj Vasudevan utilizou toda sua Linguagem Corporal com perfeição em seu discurso, fazendo-a ser percebida como algo natural, que fazia parte dele.

Temos um artigo onde ensinamos como utilizar os gestos em suas apresentações

Fez o uso dos gestos ilustradores de forma que pudesse transmitir para o público a emoção que queria passar com a fala. Fez uso adequado da postura aberta, demonstrando confiança e domínio sobre o que dizia. Gesticulava dentro do time ideal, sempre fazendo o uso das mãos espalmadas, que é uma demonstração de sinceridade com o público.

Ao ilustrar o gesto de puxar a corda de um arco, ele ilustrou com precisão o movimento, como aquilo tivesse sido algo natural e não forçado.

A estrutura da Mensagem

Uma das coisas mais incríveis ao assistir a palestra de Vasudevan, é que em pouco mais de 7″ minutos ele conseguiu transmitir sua mensagem utilizando toda estrutura de um discurso perfeito.

Estrutura do discurso perfeito:

  • Mensagem / Slogam;
  • Tema central;
  • Mostra o problema, mas dá a solução;
  • Coadjuvante, alguém que contribui para o desenrolar da história;
  • Ato I – Apresenta o problema
  • Ato II – Mostra qual é a solução e como resolveu o problema
  • Ato III – Mostra o que acontece depois que o problema é resolvido.

Confira o infográfico abaixo:

Estrutura do Discurso Perfeito

 

Quem sabe você também pode se tornar o melhor orador do mundo? Separamos alguns livros para que você possa iniciar seu aprendizado.

Apresentações Impactantes

Como Fazer Apresentações Impactantes

Como fazer apresentações impactantes? Essa é a pergunta que ouço com frequência. Creio que não seja um elemento específico, mas uma junção que permite meros discursos se tornarem apresentações impactantes.

Mas lembre-se, esses elementos aqui apresentados contribuem para que seu conteúdo crie impacto, mas não substituem o conhecimento pelo tema. Convenhamos, é um porre assistir uma palestra onde o conteúdo do palestrante é vago e artificial. Da mesma forma, é uma chatice você assistir uma palestra onde o tema é fascinante, o palestrante sabe tudo sobre o tema, mas… ele não sabe transmitir a mensagem em toda sua essência.

Como criar apresentações impactantes

A melhor maneira de criar apresentações impactantes é elaborando um roteiro, pontuando tudo o que será dito. Você não precisa e nem deve tentar decorá-lo. Até porque se você conseguisse decorar, sua mensagem passaria a impressão de algo artificial.

Ao criar roteiros, definir os vocabulários que se adequem melhor ao público ao qual você irá se apresentar, e fazer o uso de cada um dos elementos citados nesse artigo, suas apresentações serão impactantes e inesquecíveis para quem as assistir.

Temos um artigo que mostra como uma boa comunicação pode impulsionar sua carreira

Energia

Não importa quantas pessoas estejam assistindo sua apresentação, nem qual o perfil delas ou tema da palestra, energia é vital para que suas apresentações sejam interessantes e marcantes.

Seu conhecimento só será absorvido pelas outras pessoas se elas perceberem um ingrediente muito importante durante a apresentação, o ingrediente chamado paixão. Esse ingrediente inflama a plateia e faz com que elas absorvam o conteúdo transmitido.

Um grande exemplo de profissional que faz isso com maestria, é o professor e filósofo Mario Sergio Cortella. Suas mensagens são sempre profundas e transmitidas com energia. De um tema mais complicado, que requer mais do vocabulário, ao mais simples, sua mensagem é sempre entregue com excelência e logo viralizam na internet.

Disposição para falar daquilo que se propôs e demonstrar vitalidade, são elementos indispensáveis para um bom comunicador.

 

Simplicidade

Conteúdo simplificado não é o mesmo que deixar de apresentar ou transmitir um conteúdo pobre. Simplificar requer muita sabedoria e paciência, já que na maioria das vezes optamos por querer sofisticar demais e acaba ficando confuso.

Uma frase atribuída a Leonardo Da Vinci reverencia o ato de ser simplificado:
A simplicidade é o último grau de sofisticação”

O professor e também filósofo Clóvis de Barros, tem uma maneira bem peculiar de passar suas mensagens. Mesmo sendo um conteúdo sério, ele consegue transmitir de maneira cômica sem perder a linha de raciocínio. Esse tipo de abordagem permite criar empatia mais facilmente com o público que o assiste.

Perceba que o professor Clóvis fala de uma forma simples e natural, um tema que é simples, mas que muitos acabam complicando. Isso nos mostra claramente que você não precisa falar sobre coisas difíceis de maneira difícil.

Certa vez, um executivo que havia sido demitido, me contratou para ajudá-lo a melhorar sua comunicação. Um dos motivos que ele tinha sido demitido, além da crise que a empresa enfrentava, era a sua comunicação, muito difícil de ser compreendida. De fato, se ele não fosse bom no que fazia, não tinha trabalhado por mais de 15 anos em uma empresa onde entrou como apenas mais um colaborador e chegou ao cargo de diretor comercial.

Perguntei porque ele queria meus serviços e a resposta foi bem simples e direta: “Eu complico uma mensagem simples, para parecer mais sofisticado e superior.”

Tonalidade Vocal

Uma das palestras mais sensacionais do TED, é a do empresário Julian Treasure.

Julian demonstra em sua palestra feita para o TED.com, como a tonalidade vocal pode mudar completamente a percepção de quem o ouve.

Um dos elementos que mais consegue conectar o público com o palestrante é o domínio sobre o uso da voz. Saber utilizar a tonalidade certa para cada momento de uma palestra, é uma das maneiras mais impressionantes de criar impacto emocional em quem o escuta.

Você pode dramatizar um ponto que é para emocionar, entusiasmar quando quer que as pessoas valorizem, criar suspense quando o intuito é gerar expectativas.

Julian faz um show nessa sua palestra, mostrando como a tonalidade irá influenciar o teor da mensagem de diversas maneiras.

Pausas

Dar pausas nas falas, gera expectativa na plateia. Em alguns casos, é a deixa para que tire aplausos da plateia e valorize suas apresentações.

Assim como todos os outros elementos citados aqui, as pausas devem ser ensaiadas e utilizadas dentro do bom senso. Seu uso inadequado pode gerar um tom sério à sua mensagem. No livro – O guia oficial do TED para falar em público, escrito por Chris Anderson, ele conta que em uma das edições do TED, um palestrante utilizava as pausas a todo momento em suas falas para que a plateia o aplaudisse.

Em um dos discursos mais marcantes realizados na ONU, Emma Watson ao ser nomeada embaixadora da Boa Vontade pela Organização das Nações Unidas, utilizou o elemento Pausas, com destreza.

Ema não se limitou a utilizar pausas curtas, em boa parte do discurso suas pausas possuíam mais profundidade, dando ao discurso mais drama sem ser cansativo ou triste.

Durante seu discurso, foi aplaudida três vezes, fazendo jus às reflexões que ela provocou na plateia, fazendo jus ao cargo para o qual havia sido nomeada.

Linguagem Corporal

Não o mais importante, mas sem sombra de dúvidas o menos indispensável na hora de fazer apresentações impactantes, está a Linguagem Corporal. Elemento necessário e negligenciado por muitos.

Linguagem Corporal é responsável por mais de 50% da comunicação de uma pessoa. Desde a roupa que se veste aos gestos, postura e maneira de caminhar, eles tem o poder de transmitir na mensagem aquilo que os outros elementos indicam.

Ao transmitir entusiasmo, é preciso fazer com que o vigor de suas palavras estejam coerentes com a maneira de gesticular, caminhar e postura.

Um dos profissionais que faz o uso desse recurso como o de todos os outros listados acima, é Tony Robbins. Nesse vídeo com mais de uma hora de duração, você poderá ver a performance de Tony Robbins do início ao fim. Demonstrando energia, simplicidade ao explicar coisas que são complicadas, tonalidades vocais diversas, pausas e uma Linguagem Corporal completamente coerente com todos os elementos aqui falados.

Criar apresentações impactantes pode dar mais trabalho na hora de elaborar, mas o resultado final e o impacto causado no público, sem sombra de dúvidas irá compensar cada minuto gasto em seu planejamento.

Você precisa aprender urgentemente Linguagem Corporal, e nesse artigo explicamos o motivo

Quando exageramos em algum elemento, podemos passar uma imagem contrária a que gostaríamos, ao invés de sermos vistos como um palestrante inspirador podemos ser tratados como “performático”, “show man”,  se esse é seu objetivo, tudo bem, mas caso não seja, busque ensaiar e valorize os elementos de maneira que a composição final seja impactante.

 

Comunicação

Como Uma Boa Comunicação Pode Impulsionar Sua Carreira

Para que tenhamos êxito em nossa carreira, é de grande importância saber lidar com pessoas e principalmente comunicar com elas. Como uma boa comunicação pode impulsionar sua carreira, não é apenas mais um artigo que você irá ler aqui.

A comunicação não é simplesmente sobre falar bem, aliás, curso de oratória é uma excelente opção, mas não é suficiente se seu objetivo é se tornar convincente.

Gosto da analogia de que nosso cérebro é como uma esponja daquela que usamos para lavar louças. Ela tem a capacidade de absorver conhecimento da mesma maneira que uma esponja absorve água e sabão.  Mas absorver conhecimento e não organizar esse conteúdo de forma que possa ser praticado, não vai servir para muita coisa se você precisa que outras pessoas desempenhem uma função.

Um dos homens mais ricos do planeta, o multi bilionário Warren Buffet, se orgulha de ter na parede do seu escritório um certificado de comunicação, onde segundo ele, esse curso mudou completamente a forma de relacionar com as pessoas.

O que é comunicação

Comunicação não é sobre o que você fala ou faz, mas como o outro te vê e escuta. Falar bem não é suficiente, é preciso falar adequadamente, de forma que a outra pessoa compreenda cada palavra que está sendo dita.

Um bom comunicador sabe passar bem suas ideias, já um excelente comunicador consegue expressar sua mensagem de forma que a alma da pessoa absorva e tome uma ação diante do que foi passado.

Assim como tudo se desenvolve e a intenção é que se aprimore, a comunicação não é mais apenas sobre oratória, como na Grécia antiga era um assunto vital entre os estudantes que desejavam discursar e persuadir seu público.

Como Uma Boa Comunicação Pode Impulsionar Sua Carreira

Te colocando em posição não apenas de destaque diante de outras pessoas, mas te colocando como uma referência no assunto que você domina.

Um exemplo simples de ser entendido, é você ir a uma palestra onde cientistas e estudiosos de uma determinada área falam sobre um assunto com muita propriedade, porém, somente quem é do convívio consegue entender o que está sendo dito. Trazemos esse exemplo para o judiciário, onde os advogados argumentam e falam muitíssimo bem, demonstram conhecimento profundo sobre o que falam e conseguem explanar suas interpretações, porém se você não for uma pessoa do mesmo convívio, escutará um monte de coisas que não farão sentido algum. As vezes nos sentimos como estivéssemos ouvindo alguém falando com um idioma que desconhecemos.

Qual a base da comunicação

Se a base da comunicação não é sobre o que você passa, mas como é compreendido, precisamos então entender que, o que realmente irá importar não é o quanto se sabe, mas o quanto você sabe e é capaz de ajudar a outra pessoa que o escuta.

Como Uma Boa Comunicação Pode Impulsionar Sua Carreira

Diante  disso, é importante trazermos um estudo realizado pelo Dr. Albert Mehrabian, professor da UCLA, onde em um estudo realizado, menciona a importância de entendermos que, o que se fala e o que não se fala verbalmente é importante ao transmitirmos uma mensagem.

O estudo não descarta a importância do que será dito, apenas enfatiza que devemos nos atentar às outras etapas da comunicação, pois são elas que nos ajudam a tomar decisões, já que agem diretamente em nosso emocional, onde este é responsável por 95% das tomadas de decisões.

Não adianta negligenciar o texto e não se preocupar com as informações que estão dentro do seu artigo. O conteúdo é valioso, mas o que realmente o povo deseja saber é o que significa, de forma simples e prática.

Gosto de dizer que a teoria é linda, mas não serve para muita coisa se você não souber explicá-la. Certa vez fui convidado a dar uma palestra para estudantes  de design, e quando mencionei isso, o professor ficou incomodado, na mesma hora ele disse que não era assim. Eu perguntei, não? Então explica pro seu consumidor o que significa esse monte de cores e quais os sentidos disso.

Naquele momento ele percebeu do que eu estava falando. Que não adianta ter uma teoria linda e complexa se não souber entregá-la para quem realmente vai utilizar.

Steve Jobs entendia bem desse conceito, e não estou falando apenas de suas incríveis apresentações ao lançar produtos, mas quando ele resolveu disponibilizar para o mundo o conceito de informática que conhecemos hoje. Antigamente, computadores além de serem grandes e caríssimos, eram difíceis de utilizar e tinham funções específicas. Ele simplificou um processo complicado onde poucos sabiam utilizar uma máquina, permitindo que qualquer pessoa pudesse utilizá-la para diversas finalidades.

Quais maiores benefícios de uma boa comunicação

Expressar ideias com clareza

As pessoas tem muitas coisas a dizer, mas não conseguem pelo fato de não terem clareza ou certeza no que querem dizer. Isso pode ser a falta de confiança em si próprio, onde o nível de autocrítica fala muito alto como também falta de confiança no conteúdo a ser repassado.

As vezes você pode saber tudo sobre o conteúdo a ser passado, mas tem tantas informações que não consegue organizá-las de modo que consiga fazer a mensagem fluir, com isso acaba tropeçando em pontos que podem ser cruciais para a sua mensagem.

Ser convincente

Sabe aquelas pessoas que dizem que fazem e acontecem, mas quando você olha para elas não consegue ver isso de maneira alguma? Em alguns casos, ela pode até estar falando a verdade, mas na maioria das vezes não é o que ela diz ser, na verdade ela tem vontade de ser daquela forma.

Em outro artigo, falamos sobre o poder de saber persuadir

Ser mais convincente é fundamental para fechar negócios ou até mesmo conseguir apenas iniciar uma conversa com alguém que possa ser a porta de entrada para algo que você almeja tanto.

Ser notado como líder

A principal característica de um líder é a habilidade de comunicar com as pessoas. Desde um líder em uma companhia, como um presidente de um país, a principal habilidade notada quando é perguntado o que ele tem diferente dos demais é: “ele sabe como encantar as pessoas.”

Em outro artigo, mostramos as principais habilidades de um grande líder

Encantar pessoas não é ser bonzinho a todo tempo e nem concordar com o que é errado, mas saber lidar com as pessoas, expor o problema e saber influenciar as pessoas a resolverem esse problema.

Saber argumentar

Argumentar não é gerar embates, mas debater de forma a respeitar o ponto de vista da outra parte. Quando sabemos comunicar de forma excelente, os argumentos fluem sem depreciar o ponto de vista do outro e sem ser invasivo e desagradável.

Como a própria frase que o filósofo Mário Sérgio Cortella sempre menciona:

“O conhecimento serve para encantar as pessoas, não para humilhá-las”

Argumentar respeitosamente só mostra que você sabe entender o ponto de vista do outro e colocar o seu, sem impor uma verdade na qual você acredita.

Em outro artigo, ensinamos o que é Argumentação Irrefutável

Ser empático

E por fim, mas não o menos importante, a criação de empatia com as pessoas que estão à sua volta. Ser empático em um mundo onde as pessoas sofrem de antipatia e se tornam cada vez mais apáticas é como encontrar uma garrafa de água mineral no meio do deserto.

Vivemos um mundo cada vez mais frio e ao mesmo tempo sensível em determinadas situações. Tudo muito a flor da pele, qualquer coisa é motivo pra ser taxado como racista, homofóbico, preconceituoso, fascista e por aí vai…

Estamos vivendo a era dos polos. Tudo está polarizado. É oito ou oitenta e ponto final.

Criar empatia e saber lidar com as pessoas como as dicas que aqui mencionamos, pode fazer total diferença em sua vida e na sua área de atuação profissional.

O Poder Transformador da Empatia

O que é Empatia?

Empatia não é o mesmo que simpatia, nem é ser legal com a outra pessoa por educação. Ter empatia é saber “ler” as emoções das outras pessoas e nos colocarmos no lugar delas buscando pensar como elas pensam, sentir o que elas sentem, enxergar como elas enxergam, sobretudo ser semelhante ao próximo em gênero, número e grau.

Freud em seus estudos observou e comparou as mesmas semelhanças na intimidade física entre mães e bebês, com casais apaixonados. Segundo ele, as características relacionadas ao toque, olhar, carícias e demais contatos físicos, tinham a mesma intensidade e efeito em quem recebia devido ao hormônio liberado chamado de oxitocina.

Mais ocitocina por favor.

Ocitocina ou oxitocina é um hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na p90-hipófise posterior (Neurohipófise) tendo como função: promover as contrações musculares uterinas; reduzir o sangramento durante o parto; estimular a libertação do leite materno; desenvolver apego e empatia entre pessoas; produzir parte do prazer do orgasmo; e produzir medo do desconhecido. (wikipedia)

A ocitocina em outras palavras, é responsável pelo amor materno e sexual, e é liberada na amamentação do bebê tanto quanto no orgasmo. Em ambas situações, sua liberação inunda o cérebro quimicamente com uma sensação de êxtase, cuidado, amor, proteção, afeto. O mesmo acontece em interações sociais e profissionais.

Ao relacionarmos profissionalmente ou socialmente com pessoas de forma afetuosa, nosso cérebro social é estimulado fazendo a liberação desses hormônios.

Qual principal papel da Empatia

A empatia é responsável por desempenhar um papel de extrema importância que visa responder e atender a necessidade das outras pessoas que estão a nossa volta. Não é deixar o “eu” de lado para olhar para o outro, mas abdicar dos julgamentos e considerações que costumamos fazer, para compreender melhor o que a outra pessoa está passando.

Por detrás de todo comportamento negativo, há uma intenção positiva. E se a intenção é ajudar uma pessoa a se livrar de um desses comportamentos que podem estar destruindo-a, é importante entender que seus conselhos podem não servir absolutamente para nada se forem baseados apenas em sua realidade.

É verdade que quando vemos uma pessoa que temos uma certa simpatia sofrendo, queremos ajudá-la de alguma forma. Por instinto, querer cuidar do próximo as vezes requer mais humildade do que ações extraordinárias. Se colocar no lugar do outro é tirar a capa de “super sábio” e vestir a da outra pessoa de “ser falho”, para só assim, compreender verdadeiramente o que a outra pessoa sente.

“Ser empático é ver o mundo com os olhos do outro e não ver o nosso mundo refletido nos olhos dele.” – Carl Rogers

Cientistas como o Dr. John Gottman, afirma que casais que tem relacionamentos duradouros, tem altos níveis de ocitocina no organismo o que as ajuda a moldar o outro em sua essência, tanto nos sentimentos como nas expressões faciais e na linguagem corporal, o que chamamos de criação de rapport. Isso contribui para que ambos tornem-se mais parecidos entre si, e crie sinergia muito mais profunda.

Empatia, uma tarefa desafiadora

Sobretudo, criar empatia é uma das tarefas mais desafiadores de se conseguir, ainda mais quando não identificamos com as outras pessoas. Isso pelo fato de acharmos que os outros precisam nos entender, quando na realidade nós que precisamos de parar de achar que o mundo gira em torno de nós mesmos.

Mas ao que se parece, criar empatia com pessoas que tem uma certa familiaridade com nossas ideias e propósitos parecidos é algo relativamente fácil. O problema é quando a tentativa de criar empatia é por pessoas que são completamente opostas a nós, fisicamente e intelectualmente.

Veja uma pessoa que torce para o time contrário do seu, ou possui posicionamento político diferente. Talvez alguém de uma orientação sexual na qual você julga nãos ser a certa por ter sido ensinado dessa maneira. Ou uma pessoa que tem um estilo próprio que você o vê como excêntrico e quer chamar atenção, pode até ser aquela pessoa que passa apagadinha e ninguém a nota.

Quando vemos o “diferente do ideal” ou “normal”, que acreditamos ser, por instinto, rejeitamos já que ele não é semelhante a nós e nem queremos ser parecidos a ele.

Sermos seletivos ao criar empatia não nos ajuda em muita coisa, já que mesmo você tendo a oportunidade de fazer escolhas com quem quer se relacionar, haverá momentos e situações que exigirão de você inteligência para se relacionar com outras pessoas distintas das que você julga a ser adequada.

Por que devo exercitar a empatia

Eu poderia responder essa pergunta com uma simples frase: Por que você não é o único no mundo.

Mas vou abrir o leque de possibilidades e oportunidades que ela nos trás.

Quando desenvolvemos a habilidade de criar empatia pelas outras pessoas, entendemos melhor o motivo pelo qual elas agem de uma determinada maneira de forma autêntica.

Talvez você já notou os haters tentando denegrir a imagem de uma celebridade instantânea, que surge na internet. Por de trás daquele hater, tem uma pessoa que tudo que ela deseja, é ser feliz. Porém, ela acredita que suas atividades em alertar o povo sobre uma possível pós verdade seja o correto.

O mundo precisa de mais divã do que tribunais. Se as pessoas de um modo geral, sejam elas quem fossem, tivessem mais o interesse em ouvir o outro na essÊncia do que fazer acusações condenatórias que não ajudam em absolutamente em nada. Certamente não teríamos a quantidade de conflitos que temos. Pode parecer utópico, mas é algo tão básico, que por ser negligenciado trás essa conotação de algo extraordinário e impossível de ser alcançado.

Não que os conflitos deixassem de existir, já que ter empatia não é concordar e nem passar a mão na cabeça da outra pessoa. Mas estamos tão sobrecarregados e cheios da falsa sensação do “certo”, que tudo que é diferente do nosso ponto de vista é errado e merece ser castigado.

Tem coisas nesse mundo que eu mesmo não consigo hoje, nesse momento concordar ou aceitar, mas preciso entender que respeitar é mais que obrigação, já que eu sou uma pessoa como qualquer outra nesse mundo.

Se houver o menos EU e mais o NÓS, a tendência é que tudo pode melhorar.

Todo mundo tem uma noite mal dormida, pega o trânsito ruim em alguns dias, tem um chefe chato que pega no pé sem motivos que julgamos ser relevantes. Afinal de contas, todo mundo ao que se parece, é ser humano. Ser humano implica em errar, acertar, aprender, crescer, desenvolver.

O ser humano é cíclico, existem momentos de alta e momentos de baixa, tudo é uma questão de como encaramos esses momentos e que aprendizados tiramos de cada um deles.

Alguns tendem a ter mais facilidade para ver soluções onde outros tudo que conseguem ver é apenas problemas. Isso mostra porque uns são tão afortunados enquanto outros vivem com mais dificuldade. Criamos nossa própria realidade, sendo assim, vivemos aquilo que acreditamos ser real.

Um estudo feito na Universidade de Lubeck, na Alemanha com 50 voluntários, revelou que os níveis de felicidade das pessoas após o simples ato de doar algo, seja material ou a própria atenção para outras pessoas, aumentaram seus níveis de felicidade.

O grupo foi dividido em dois, sendo um deles ficou responsável por gastar os 26 dólares semanais com outras pessoas, e o outro grupo para gastar consigo mesmo.

Durante quatro semanas, o grupo doou o gastou o dinheiro com outras pessoas, se sentiam mais felizes do que as outras que tinham o dinheiro para si próprias.

Os pesquisadores relataram mudanças em três áreas do cérebro:

  • Uma ligada ao altruísmo e comportamento social
  • A segunda relacionada a felicidade
  • E uma última ligada a tomada de decisões

Segundo os pesquisadores, essas descobertas têm implicações diretas em áreas como: educação, política, saúde pública, economia.

Vale a pena me esforçar para criar empatia?

Essa parte eu deixo para você preencher como quiser, afinal de contas, as considerações finais devem ser sua e não de quem lhe escreve esse artigo.

Em minha opinião, vale muito a pena, seja com o gari ao pegar lixo como com um executivo na hora de passar por treinamentos.

Sugestões de Livros

“Mentirinhas” não é marketing pessoal

Contar uma mentirinha não é a mesma coisa que fazer marketing pessoal

Certamente você já deve ter ouvido que mentirinhas e marketing pessoal é tudo a mesma coisa, mas na verdade, não é não!

Você compraria duas vezes o mesmo produto ou faria indicação dele caso a expectativa fosse bem fora da realidade?

Por mais que saibamos que quando se fala em marketing, paira sob nossas cabeças uma dúvida cruel sobre a qualidade do produto em exposição e caso ela não seja suprida, certamente não terá ascensão no mercado. Se tratando de marketing pessoal não é diferente. Propaganda demais e qualidade de menos não fará com que você seja contratado. Aliás, pode até ser contratado, mas o tempo de vida útil não será muito extenso.

O que não é Marketing Pessoal

Inventar histórias, mentiras, inflacionar o seu currículo e tantos outros artifícios utilizados, estão entre os meios mais comuns para se promover. No entanto, inventar algo pode te trazer benefícios de curto prazo, mas que depois as pessoas perceberão e irão compará-lo com um produto que não atende às expectativas que dizia.

Marketing pessoal não é sobre inventar coisas que você desconhece ou acha que conhece, mas sim em valorizar suas habilidades, mesmo que elas sejam simples e não tão atraentes.

Se houvesse alguma regra certamente a primeira delas seria: cause uma primeira boa impressão, já que não haverá uma segunda oportunidade para isso acontecer.

E causar uma primeira boa impressão não é apenas sobre o visual (iremos abordar isso logo abaixo).

Já deparei em sessões de networking com pessoas que perdiam a oportunidade em saber mais do outro, para falar delas próprias.

Algumas pessoas confundem falar bem com falar muito e acabam passando da conta, falando de seus superpoderes e expondo também suas fraquezas.

Como Valorizar Suas Habilidades Mesmo Sendo Simples

Existe uma coisa que eu acredito muito que se chama: OPORTUNIDADE. E toda oportunidade de sucesso é enxergada por quem reconhece uma NECESSIDADE.

Não existem habilidades simples, existem pessoas que não sabem fazer uso das suas habilidades.

Da mesma maneira não existe falta de oportunidades, existem pessoas que não estão preparadas para enxergar a necessidade do outro, por olharem tanto para as suas próprias.

Marketing Pessoal é você olhar para a necessidade do outro e mostrar que você é capaz de ajudá-lo de alguma maneira.

Ao invés de falar sobre o que você acha, procure entender o que o outro precisa e mostre o quão bem você faz o que sabe fazer, melhor do que ninguém.

Algumas pessoas para falar bem do seu, acabam falando mal do outro, o que é uma perda de tempo.

Em uma das cidades que morei, uma vez ao procurar por um profissional para me auxiliar com algumas questões na empresa, entrei em contato com uma senhora que em 10 minutos no telefone me deu todos os motivos para não querer contratá-la ou ter algum de seus profissionais por perto.

Ela falou a todo momento de um concorrente, da falta de qualidade desse concorrente e não disse uma palavra sequer sobre o que ela poderia fazer por mim e pelos meus clientes.

O mais impressionante foi que ela só foi falar que já tinha dado consultoria para grandes empresas como Petrobras, através de um email e prontamente dispensamos seus serviços.

Fale bem de você, fale bem do que você pode fazer e de como você pode ajudar seu cliente, mas jamais fale algo que possa deixar a imagem do seu concorrente arranhada. Quando você fala do outro, é um sinal que você sabe muito bem o que ele está fazendo e isso revela uma certa fragilidade. Você está mais preocupado com o outro do que consigo mesmo.

Sua Apresentação Importa SIM

Não se engane, você não terá uma segunda chance para causar uma primeira boa impressão. Não é sua aparência que importa, mas a sua apresentação. Não é sobre ser bonito ou feio, mas se está vestido de maneira adequada, se você cuida ou não do corte de cabelo, das unhas, da pele do rosto, do sapato bem engraxado, enfim, tudo que compõem a imagem pessoal de uma pessoa revela muito sobre ela. Nem de fazer o uso de grifes, mas de estar vestido de maneira que esteja alinhado com o ambiente, perfil das pessoas que ali circulam e principalmente, a imagem que você deseja passar para aquelas pessoas.

Um produto recém lançado que tem sua marca desconhecida, não ganhará adeptos se não tiver um bom marketing em volta dele. Veja os cartazes do McDonald’s, Burger King, Outback. Eles apresentam um produto que abre seu apetite apenas através do que você está vendo. Isso acontece porque o primeiro elemento que chama sua atenção para um determinado produto é sua aparência visual. Ele pode até estar com um imenso cartaz de promoção escrito com letras garrafais, mas se a apresentação visual não te despertar algum interesse, dificilmente você irá pegá-lo e ler sobre o que ele pode fazer por você.

Estudos realizados através do neuromarketing, constatou que o primeiro sentido a ser despertado é o visual. Somos atraídos pelo visual por algo em torno de 70%, o olfato vem em segundo lugar compondo 20%, auditivo e cinestésico completam os 10% restantes.

Então, invista em sua aparência e capriche no perfume. Não importa a fragrância que você usa, mas o bom senso na hora de se perfumar.

Qual melhor maneira de ser portar?

Existem várias maneiras de ser notado como um chato, dentre elas a de ficar calado demais ou falar de maneira exagerada. Evitar contato não fará com que você seja notado como interessante, muito menos se começar a falar a todo momento. Simpatia em excesso ou sua ausência, fará ser percebido como uma pessoa desagradável.

Sempre gosto de citar como exemplo de personalidade a ser modelada pelo jeito de andar, gesticular e se portar diante de outras pessoas, o ex-presidente Barack Obama.

Obama andava pelos salões e se portava sempre de maneira adequada em qualquer ambiente que se encontrava. Era elegante sem ser esnobe, simpático sem ser desagradável, discreto sem passar despercebido. Ele conseguia como poucos, fazer o que outros um dia conseguiram, se adaptar aos ambientes como sempre tivesse pertencido a ele.

Trazer os holofotes para cima de você só se você for o motivo pelo qual o networking está sendo realizado. Uma das coisas mais desagradáveis é ver alguém tentando ganhar a atenção dos convidados, sendo ele também apenas mais um convidado.

Fazer marketing pessoal é ser mais interessante do que interessado. Seduzir sem ser vulgar, persuadir sem insistir. Para que você possa fazer melhor seus networkings, siga 3 passos simples que te ajudarão melhor na hora de realizar um MP (marketing pessoal) bem sucedido.

✓ Observe o comportamento das pessoas que circulam nas proximidades e haja semelhante a eles;

✓ Não invente o que você não pode comprovar, fale do que tem autoridade e demonstre somente se for solicitado;

✓ Ouça mais, pergunte mais e tente se promover menos. Sábio é aquele que escuta atentamente e sabe utilizar as informações a seu favor.

1 2
Clique aqui e baixe agora seu Ebook
Aprenda Como Criar Rapport
Clique para baixar
Get a Shocking Discount!
Get 85% OFF on all our selected products
Check it out